Sociedade Antroposófica No Brasil

Já na época de Steiner alguns imigrantes europeus trouxeram o estudo e cultivo da Antroposofia para o Brasil.     Antes da 2a. guerra mundial, a Sra. Lavínia Viotti fez a primeira tradução de um dos livros básicos de Steiner,      "Como se Adquirem Conhecimentos dos Mundos Superiores". Em 1939 já havia Ramos da Sociedade em São Paulo, no Rio e em Porto Alegre. Todo o trabalho naquela época era feito ainda em alemão. Infelizmente, o grande desenvolvimento deu-se só em S. Paulo, que continua tendo a maioria dos antropósofos e a maioria das iniciativas no Brasil. Em S.Paulo havia grupos de estudo dirigidos por Tatiana Braunwieser e por Max Rüegger. Durante a guerra, com o receio de falar o proibido alemão, os grupos se dividiram em pequenos círculos de estudo. Um desses grupos reunia os casais Rudolf e Mariane Lanz, chegados ambos em 1939, Hans e Johanna Wolff, Hans e Melanie Schmidt (ele veio a fundar a fábrica Giroflex) e R. Nobiling (cuja irmã Elizabeth Nobiling, também antropósofa, notabilizou-se como pintora e foi a autora dos baixo-relevos da Torre do Relógio da USP, na Cidade Universitária, São Paulo).